Promoção!

Otelo Saraiva de Carvalho

6,90 1,00

A partir de determinada fase da sua vida, Otelo Saraiva de Carvalho tinha a convicção de que só no interior do Exército teria a possibilidade de contribuir para uma alteração profunda da situação que se vivia em Portugal. Depois de calcorrear vezes sem conta os matos angolanos, regressou à Metrópole, estando perto do movimento que tomava forma em Lisboa. O problema colonial estava agora no centro das atenções e o golpe de Estado era uma solução mais consensual. A Otelo foi atribuída a responsabilidade operacional do movimento. Depois da meia-noite de 25 de Abril de 1974 passava a segunda senha, Grândola Vila Morena, aprovada pelo major. Nesse dia iniciou-se uma longa caminhada ao encontro da democracia. Os próximos tempos seriam de intranquilidade, para o país e para ele. A unidade do MFA tinha caído por terra e, a 25 de Novembro de 1975, os radicais (o Grupo Gonçalvista e o de Otelo) prepararam um novo golpe de Estado. Ao falhar, o major foi afastado do poder e do Exército. As suas duas candidaturas à Presidência da República também falhariam. Em 2001 foi absolvido da acusação do seu envolvimento com as FP-25 em actos de violência e práticas terroristas, num processo que se arrastava desde 1985.

Em stock